Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mondim de Basto

por aquimetem, em 15.07.16

IMG_6592 (2).JPG

Veio-me ter à mão mais uma daquelas peças moldadas a tinta de imprensa que só o Ginho com a sua capacidade e engenho sabe materializar, e que me trouxe da montanha, onde tenho as minhas raízes, uma perfeita imagem histórica, etnográfica e paisagística, com o titulo: Mondim de Basto.

IMG_6591 (2).JPG

  Enriquecida com imerecida dedicatória, uma ilustrada monografia da vila e do concelho a quem D. Manuel I deu carta de foral e manteve até tarde terras regalengas, este guião turístico leva-nos a usar da perspicácia para quando no terreno entender a linguagem das pedras, dos carreiros e atalhos, dos rios e fontes, da arquitectura urbanística e dos montes e vales, deste concelho escondido da vista, mas que no coração palpita. Começa bem, com:
“Um cibo de terra roubado,/A um mar de pinheiros sem fim, /Um Monte e um Rio ao lado,/E lá no meio – Mondim !!!”.

IMG_6583 (2).JPG

Das “origens” às “histórias & lendas” e dos “factos” aos “ romanos”, nos dá, Luís Jales de Oliveira, em álbum muito bem ilustrado com imagens, prosa e poesia exemplificativa do que de Mondim de Basto só um mondinense do seu calibre á capaz.

IMG_6588 (2).JPG
Temos assim em verso e prosa, ilustrado com imagens, todo um desfilar da história de um concelho rural da região de Basto, que por ficar na margem esquerda do Tâmega e nas faldas do Marão, - onde pontifica o Rio, mas também o Monte Farinha e as Fisgas de Ermelo - é território transmontano, na zona de transição com o Minho, por Celorico e Cabeceiras de Basto (Braga) .

Repetindo o convite com que o autor, Luís Jales de Oliveira, faz ao leitor, transcrevo: “ Dizia o povo que quem bebesse da água do Barrio ficaria enfeitiçado e jamais haveria de partir. Venha beber da nossa identidade e deixe-se enfeitiçar por Mondim”. Muitas vezes lá bebi, mas, por aldoes da vida, resisti ao feitiço...

Uma forma original para encerrar este atraente cardápio turístico, com um convite ao leitor do livro a se deter na ementa e escolher a seu gosto. Tem muito por onde, e diversificado. Do património cultural ao construído, do desporto profissional ao amadorismo e de lazer, não falta em Mondim. Sem pretensões de historiador fecundo, mas muito sabedor do que escreve, o Ginho, desce pela mão dos entendidos às remotas origens históricas da nossa terra, mais para varrer poeira que ao longo de séculos se acumulou, para desviando-a facilitar as gerações futuras e actuais a conhecer o que agora Mondim ainda tem de maravilhoso para mostrar. Leva-nos serra fora, desde o "castroeyro" à " cruz do Jugal", e pela cumeada até às grutas de Campanhó. E ao Ermelo, para nos mostrar as Fisgas.

A vila, a montanha e as suas aldeias, os ribeiros e ribeiras, a fauna e flora do Alvão, as festas e romarias, a música, o folclore, as tradições, os artistas da pedra, da madeira e do ferro, são motivos a juntar a uma gastronomia, onde impera o “verdasco” de muita qualidade, a famosa carne maronesa, o pão cozido nos fornos a lenha, e moído nos típicos moinhos de rodízio, depois de cultivado pelo lavrador nos campos e lameiros de entre Tâmega e Lamas de Ôlo. Mais um diamante lapidado com gosto e muita arte por Luís Jales Oliveira.
Autoria e outros dados (tags, etc)
Tags:
• fisgas
• mondim
• monte farinha
publicado às 14:58

________________________________________
7 comentários
De an a 07.07.2016 às 18:48

« "No cimo do Monte há uma capela,
E cada vez que olho para ela,
Apetece-me voar...
E humilde peregrino,
Vou em ânsias de menino,
Lá rezar.

No cimo do Monte há uma capela,
E cada vez que entro nela,
Vivo um mistério profundo:
Senhora,
Que feitiço derramais,
Que o mais comum dos mortais,
A Teus pés é Rei do do Mundo ?!"»
• link do comentário
• responder
De an a 12.07.2016 às 13:15
MONDIM DE BASTO

"Um cibo de terra roubado,
a um mar de pinheiros sem fim,
um Monte e um Rio ao lado,
e lá no meio - Mondim !!!"

No peito do mapa de Portugal, Basto é um pequeno coração esquartelado com duas aurículas, Cabeceiras e Ribeira de Pena, dois ventrículos, Celorico e Mondim de Basto e uma veia cava oxigenadora, o Rio Tâmega, que lhe rasga o tecido na vertical.
Mondim, ventrículo sestro do referido tecido muscular, repousa numa chã fértil da margem esquerda do nosso Tâmega sagrado, ajoelhado aos pés de Nossa Senhora da Graça, precisamente onde o Minho acaba e Trás-os-Montes começa. O concelho estende-se por uma área de 174 km2 englobando zonas de transição, zonas diversificadas e de marcante originalidade. As freguesias de Atei, do Bilhó, de Campanhó/Paradança, de Ermelo/Pardelhas, de S.Cristovão de Mondim e de Vilar de Ferreiros desenham um tecido único e invulgar, onde a natureza se manifesta no seu esplendor original.
Somos o "pousadouro", o centro da travessia que liga o Douro ao Verde Minho, o local privilegiado onde os viajantes podem pernoitar, retemperar as forças e descobrir uma terra de deslumbramento.
Porto e Braga ficam a uma hora de caminho, Guimarães, Vila Real e Amarante a cerca de trinta minutos e, depois, Espanha é mesmo, mesmo ali ao lado.

In Mondim de Basto
• link do comentário
• responder
De an a 12.07.2016 às 15:25
ORIGENS

O concelho foi ocupado desde tempos imemoriais por povos, tribos e raças que escolheram as alturas e a proximidade dos deuses para construírem e defenderem os seus castros, os seus rebanhos, os seus locais de culto e a eterna morada dos seus antepassados.
Na vila de Mondim de Basto foram descobertas cerâmicas com cerca de cinco mil anos. Nas redondezas de Nossa Senhora da Graça foram localizados vestígios que ultrapassam os sete mil. No planalto das Gevancas estão referenciados túmulos megalíticos e o menhir da Pedra Alta deverá corresponder ao período referido.
Dos povos ocupantes poderemos referenciar, para além de tantos outros, os Pharos ou Pharúsios, a quem se deve o baptismo do "Monte Farinha", os Celtas Nemetanos, os Youlaus e os Souseus, os Longos, os Lícios e os Linceus, os Búbalos ou Bíbalos, os Equesos e os Tamecanos.

In Mondim de Basto
• link do comentário
• responder
De an a 12.07.2016 às 18:07
ESTÓRIAS & LENDAS

O povo conta estórias fantásticas cheias de encanto, de mistério e de magia. Muitas delas têm origem no Monte de Nossa Senhora da Graça, extraordinário santuário de fé, de história, de etnografia, de desporto nacional e dos encantos da natureza.
Há lendas de pedras colossais que se abrem para esconder Nossa Senhora e salvar o menino Jesus da perseguição do Rei Herodes; lendas das misteriosas fugas de Nossa Senhora do seu Altar no Monte Farinha, para ir salvar marinheiros perdidos nas tempestades do mar alto; de minas dos Mouros que correm oito quilómetros para desaguar no rio, recheadas de ouro e de diamantes guardados por serpentes e por princesas encantadas que só aparecem nas manhãs de São João; de batalhas imemoriais contra as legiões do império romano, de sete condes dos Sousões esvazados nos olhos e sepultados em Atei; de mãos de fogo que percorrem, à noite, o velho caminho do apiário da Serra; da diabólica descida dos mafarricos pelo Velão que só terminaria no lugar de Paradança; da imagem de São Faustino que foi lançada ao fogo e não ardeu; das relíquias de São Pacífico que estavam na capela da Casa da Igreja, que foram despejadas no quintal pelos soldados do general Loison e que até foram "depenicadas" pelas galinhas de Varzielas; da menina de Pedravedra que foi trespassada, numa das ancas, por uma baioneta francesa e que depois, já adulta, mostrava com todo o orgulho do mundo, a cicatriz que lhe inflingiram os invasores; do sino de ouro que se ouve tocar, ao fim do dia, em Campos, na Caínha, em Vilar de Ferreiros e em Vilarinho; nas patacas de ouro do Monte Farinha que se transformam em rojões de ferro; das velhas que demandaram a entrada da mina dos mouros, lendo o livro de São Cipriano ao contrário e que foram teletransportadas a quilómetros de distância...

In Mondim de Basto
• link do comentário
• responder
De an a 13.07.2016 às 19:34
ROMEIROS DE SANTIAGO

A música está na alma e caracteriza a identidade dos Mondinenses. Um povo que ri, que canta e que dança. Um povo alegre, festeiro e gaiteiro. Romeiro por natureza. Um povo que sobe até ao alto do Monte Farinha com os olhos colados na Senhora milagrosa. Um povo que celebra o Apóstolo Santiago na noite de 24 de Julho, com estúrdias com tocatas e que partilha merendeiros no meio das ruas até aos alvores da madrugada.
• link do comentário
• responder
De an. a 13.07.2016 às 19:43
ROMARIA

Explodem tunas e tocatas, troam estúrdias e ranchadas,
Rasgando a noite sufocante coalhada de romeiros,
Todos se fazendo ao monte de cabaças recheadas,
Nas rodilhas das mulheres as gigas dos merendeiros.

Os meninos vão às costas, as mantas vão trespassadas,
As botas ao dependuro, as candeias são luzeiros,
As mulheres botam o alto com gargantas afinadas,
Pelas fraldas da montanha ornada de medronheiros.

Ao chegar vão-se às promessas, de joelhos nas escadas,
Quatro voltas no caixão, sete palmos de pinheiro,
A prenda das arrecadas com os quilates da lei;

Explodem tunas e tocatas, troam estúrdias e ranchadas,
Arraial, jogo do pau, contas feitas a marmeleiro,
Nossa Senhora da Graça, pró ano cá estarei!!!

In A Rainha de Basto -
• link do comentário
• responder
De AN a 15.07.2016 às 16:20
NOSSA SENHORA DA GRAÇA

Para quem chega a esta concha, a este remanso do mundo, a esta terra prometida, é como s`escancarassem, de repente, as portas do Paraíso de par em par - e o Monte, constantemente, enorme e omnipresente a carrapitar, lambareiro, pelas quatro coordenadas do nosso espanto abismal.
De baixo, vulcão rompante, alastra pelas retinas como se fosse explodir. De cima, parindo ilhas, mar de susto e mar d`espanto, afoga um homem d`azul por praias do infinito.
O Monte Farinha (zona plutónica do primeiro enrugamento hercínico e paleozoico de há 450 a 350 milhões de anos) é uma "Faceta trapezoidal" oriunda do topo do Alvão após uma revolução tectónica que encavalitou xistos andaluzíticos com granitos velhos, criando um sistema complexo de falhas tectónicas de "horts e grabens" em toda a zona. Local mágico, cativante e perturbador, recheado de história, de vestígios arqueológicos, de lendas e de tradições. Local privilegiado para os amantes da natureza e emblemática referência desportiva de múltiplas modalidades, é destino obrigatório dos caminhos da fé, da religião e do turismo nacional e internacional. Miradouro excepcional e altar privilegiado duma Senhora de pedra, coroada a mil metros de altitude, que tem atraído, ao longo de toda a história, as multidões que a contemplam à distância e que se encomendam, esperançadas, à sua divina protecção.
Um espaço sagrado e sacralizado onde grande parte da história e da cultura da região estão gravadas a ferro e fogo, nas milenares fragas de granito daquele Monte.

IN MONDIM DE BASTO
________________________________________
________________________________________

________________________________________
________________________________________
Voltar ao topo | Alojamento

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:57


A Festa Continua

por aquimetem, em 16.08.14

           Estava no programa e foi cumprido com rigor. Às 10h15 os participantes reunidos no adro da igreja largaram em demanda do Loural, Marco e só no Parque de lazer da Ilha é que pararam para lanchar

 

          Depois arrancaram, e por Agua Formosa, Gaspara e Lameiras,  vieram terminar no lugar donde partiram, e no Casal dos Afonsos almoçar. Antes da partida o Sr. Padre Abel abençoou os ciclistas e as bicicletas desejando bom passeio, com dois Pai Nossos para ajudar a pedalar

          Muitos participantes, e alguns deles vindos de terras afastadas, de Leiria e Pataias foram vários identificados.

          Gente nova, outra menos jovem, o facto é que até a ti Beatriz Rata deixou o seu cantinho do Casal dos Afonsos e conduzida pela Maria dos Prazeres, sua filha, e do neto Miguel, veio assistir à partida dos ciclistas. E teve um abraço da Mariazinha

           Aqui os olhares estão todos atentos aos gestos do Miguelito do Zé e da Prazeres Afonso que gosta mais de bicicletas do que dar trabalho às cozinheiras... Mas está gordinho. 

 

           O Paulinho todo pimpão lá se deixou fotografar, antes da partida. Não é fácil apanha-lo

 

          Haja quem dê ao pedal, que bicicletas não faltam. E a festa continua, agora sem bicicletas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:09


O Troncão

por aquimetem, em 09.08.14

 

          Na sexta-feira, dia 08, duas minhas sobrinhas ofereceram-me um passeio, com direito a almoço, ao Troncão Parque, recinto de merendas e lazer que fica situado no lugar da Igreja Velha, freguesia de Colmeias-Leiria.

           Fiquei encantado com as instalações e asseio do parque que não conhecia, embora tivesse dele conhecimento, pois como similar do bajouquense Pisão é também muito falado. Amante dos sítios e lugares do Portugal menos conhecido, uma vez ali, foi o ribeiro que atravessa o Troncão - e que eu supus fosse quem deu o nome ao Parque -  a merecer as honras da minha objectiva. Mas pelo que depois ouvi dizer, o topónimo deve-se ao nome do lugar que antes de 2009 era terreno de silvas e mato, quase impenetrável. Hoje local cuidado e posto ao serviço do turismo regional e não só, apenas me sugere que recomende aos responsáveis pela sua conservação o seguinte: se identificadas, com o nome por que são conhecidas, as árvores existentes no recinto do Troncão, o parque ganha mais 20 pontos meus. E já agora, identificar também o ribeiro que lhe serve de atrativo

          E nesta mesa almoçaram duas carradas de bajouquenses e mais um transmontano de Basto, filho adoptivo da Bajouca. A ti Beatriz,  a filha Sãozita, e a neta Ângela, encheram um carro. Um outro, carregou comigo, com a condutora Helena, o filho Paulinho e o irmão Raul. Melhor dizendo: foi um passeio à Casal dos Afonsos, da Bajouca Centro.

 ,

           No fim de almoço foi uma soneca para a ti Beatriz com direito a manta e colchão na relva.

 

           Deixando a mãe, minha dileta cunhada, a descansar, estas beldades aproveitaram para se divertirem no balouço, e eu para as fotografar. 

          Estão à espera de mais qualquer coisa...e eu também. O vídeo dá para ver melhor

           Não só elas e eu, mas também o seu mano Raul.

           Ora aqui está o que faltava: a abertura do bar, e o cafezinho da ordem para concluir o almoço.

 

          A meio da tarde, deixamos o recinto ainda cheio de visitantes com fornos, churrasqueiras e mesas ocupadas. Mas o fim da jornada  tinha-o determinado para assistir a um baptizado, na capital do barro leiriense, por isso, com pena, deixei mais cedo o Troncão

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:29


Um opúsculo aconselhado

por aquimetem, em 03.07.14

 

 Entramos no Verão. É tempo de férias que não é deixar o trabalho, mas mudar de ocupação. A leitura além de dar conhecimentos dá também actividade ao cérebro. A Chiado Editora em Fevereiro pp editou um curioso opúsculo intitulado “Nossa Senhora da Graça - Na Fé dos Mareantes” que muitos que já o leram aconselham como livro a não dispensar na bagagem destas féria de 2014.

Ao conduzir o leitor em passeio descritivo desde o Minho aos Açores no arrolar de todas as freguesias consagradas ao culto graciano, o autor leva-o a terras e sítios maravilhosos de Portugal, e outros mais distantes, como Brasil e Angola.  É um livro para ler em tempo de férias. Se foi dos que já leu, dei a sua opinião.

 

Para os que ainda não o leram podem solicitá-lo em quaisquer destas Livrarias: em Leiria, na Livraria Boa Leitura:

 

 

Desassossego

 

Rua de São Bento, 34

 

1200-815 Lisboa

 

 

Livraria Nun’Álvares

 

Rua 5 de Outubro, n.º 59

 

7300-133 Portalegre

 

Centro comercial Primavera, Loja 13

3000-090 Coimbra

 

Livraria Papelaria 115

 

Praça 8 de Maio, n.º 29

 

3000-300 Coimbra

 

 

Livraria Celas
Av Calouste Gulbenkian
Centro comercial Primavera, Loja 13
3000-090 Coimbra

 

 

Livraria Caminho

 

Rua Pedro Santarém, n.º 41

 

2000-223 Santarém

 

 

Livraria BrincoLivro

 

Rua Alexandre Herculano, 301

 

3510 – 038 Viseu

 

 

Livraria de José Alves

 

Rua da Fábrica, n.º 74

 

4050-246 Porto

 

 

Livraria Esperança

 

Rua dos Ferreiros, 119

 

9000-082 Funchal

 

 

Nazareth e Filho

 

Praça do Giraldo, 46

 

7000-406 Évora

 

 

Livraria Graça

 

Rua da Junqueira, n.º 46

 

4490-519 Póvoa do Varzim

 

 

Aliete S Clara Brito

 

Avenida 25 de Abril, lote 24 R/C

 

8500-511 Portimão

 

 

Livraria Caravana

 

Morada Sede: Av. 25 de Abril, Edf. Vila Flôr 6º

 

8100-596 Loulé

 

 

Livraria Papelaria Meneses

 

Rua da Sobreira, n.º 206 Paços de Brandão

 

4535- 297 Aveiro

 

 

Livraria Lusíada de Libânio Jorge

 

Rua Teófilo Braga nº 110

 

8900-333 VILA REAL SANTO ANTONIO

 

 

Livraria Oswaldo Sá

 

Rua 25 de Abril, 435

 

4710-913 Braga

 

 

Livraria Minho Ferreira e Salgado, Lda.

 

Largo da Senhora-a-Branca, 66

 

4710-443 Braga

 

 

 

Está disponível online no nosso site na FNAC.PT, Wook, na Bertrand Online.

 

 

É possível, também, encomendá-lo em qualquer balcão Fnac, Book.it e Bertrand.

 

 

No Brasil, a obra estará disponível brevemente na rede de livrarias Cultura.

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:20


Conviver com os livros

por aquimetem, em 15.06.14

 

          Termina hoje a 84.ª Edição da Feira do Livro de Lisboa, que decorreu no Parque Eduardo VII desde 29 de Maio a 15 de Junho. Organizada pela A APEL ( Associação Portuguesa de Editores e Livreiros), este ano o certame contou também com um horário alargado que facilitou aos visitantes mais tempo para conviver com os livros . Também a Estufa Fria pela primeira vez abriu as portas para algumas actividades de animação cultural durante o tempo que a feira decorreu e por isso ajudou a dar mais brilho ao que é uma das mais importantes referencias culturais da cidade de Lisboa.

         Passei por lá ontem, sábado dia 14, para me despedir do evento e também medir o apreço que os lisboetas têm por este certame. Para o fazer nada melhor que  escolher o fim do dia, quando só quem de veras gosta de conviver com os livros se dá ao prazer de procurar os sítios onde os pode encontrar.

           Só os editores e livreiros ali representados, com os comerciantes de restauração no apoio ao certame é que  podem dizer se Lisboa esteve ou não à altura do evento feito para enobrecer a cidade e os alfacinhas. Creio que sim.

         A meia noite aproximava-se e junto aos pavilhões os clientes ou meros amantes do livro não arredavam pé

         E quem também não arredou pé de lá e deixei no relvado do Parque preso a ver um jogo de futebol no grande Écran de 60 metros quadrados que foi montado para que cerca de 30 mil pessoas possam assistir aos jogos do Campeonato do Mundo, foi um bom número de alfacinhas que se não são apreciadores de livros, de futebol garanto que são.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:30


Festival de Sopas

por aquimetem, em 01.05.14

  

          Como antecipadamente foi anunciado mais um Festival de Sopas, o VIIº, teve lugar no Salão do Pisão, organizado pela ABAD(Associação Bajouquense para o Desenvolvimento).

  

          Povo bairrista e muito generoso, sempre que chamado a participar em iniciativas que tenham por objectivo dar satisfação ao sentir da comunidade é vê-lo arregaçar as mangas e mãos à obra. Como já noutras ocasiões a culinária foi mais uma vez motivo para dar a conhecer os vários géneros e sabores da sopa caseira que foi o principal alimento do camponês.      

          Tendo por presidente da direcção a dinâmica bajouquense Maria de Fátima Domingues Fernandes, a ABAD  tornou-se numa das principais associações de cultura e lazer da região e que tem no Parque de Merendas do Pisão e no Certame Feiriarte os seus pontos referenciais.

         Enquanto uns colaboram com a confecção e oferta das sopas, e outros com oferta de produtos e serviços, muitos são também os que na condição de clientes valorizam à mesa do restaurante o que na cozinha se faz. Desta vez, que foi a primeira, fui cliente e prometo continuar.   

         Foi uma tarde de Domingo, dia 27 de Abril, passada à maneira, animada com música ao vivo e sopas quantas se quis comer. Também a  Broa do Pisão e as bebidas eram à descrição. Por volta das 13:00h o ambiente no salão do Pisão era o que as fotos aqui mostram.

 

 

          A boa disposição não falta nestas ocasiões, e dá aos eventos que se realizam na Bajouca a fama que já se não fica pelos lugares mais próximos. Depois a unidade reinante na comunidade é outro motivo de agrado e que contribui para o socesso do evento independentemente da associação que o promova. Aqui os presidentes são para trabalhar, como dá exemplo o Nelson Ferreira, afecto ao GAU (Grupo Alegre e Unido da Bajouca)

           .....Ou um David Soares Cabecinhas, presidente da Direcção da S.A.M.B. ( Sociedade Artística e Musical da Bajouca) que de serviço no controle das entradas só quando todos já  fartos é que foi comer a sua tigelada

 

           Também o Arménio Serradela, que serviu às mesas, depois de todos servidos é que foi molhar o bico

 

           O café foi servido ao ar livre; fora do salão tem outro sabor

 

            Depois do cafezinho da ordem, a reboque da Helena, do David e do Paulinho, foi um passeio a pé, para rebater as sopas, até ao Parque Natural do Pisão, sempre muito frequentado, e pena tive do moinho não estar a trabalhar, mas o moleiro, também tem direito a descanso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:04


Com especial carinho

por aquimetem, em 26.04.14

         Na 4ª-feira o Sr. Padre Melquiades foi celebrar Missa no Centro Social da Bajouca e dar as "Boas Festas" (Compasso) aos utentes e pessoal que presta serviço naquela instituição. Em actividade desde 1993, este Centro Social tem como base de orientação o Plano de Desenvolvimento Individual que determina o respeito pelas diferenças religiosas, étnicas e culturais; bem como ao incentivar a participação activa dos idosos e/ou familiares nas actividades do Centro com vista a promover a comunicação, convivência e ocupação dos utentes"

 

          O Serviço de Apoio Domiciliário também funciona e consiste na prestação de cuidados personalizados no domicilio, como seja cuidados de higiene pessoal, alimentação, limpeza e arrumação do domicilio, tratamento de roupa, assistência medicamentosa e promoção de actividades socioculturais.

          Após celebração da Eucaristia e o tradicional beijar da cruz, a Directora Técnica do Centro, Drª. Lucinda Afonso, convidou todos aqueles que participaram no acto religioso a partilhar de um lanche que a Direcção ofertou nesse dia, um dia, de certo modo muito especial.

          Pessoal especializado e vocacionado para o desempenho da sua missão, a simpatia e atenção com que são tratados os Clientes está bem expresso nesta imagem onde se vê a Drª. Lucinda a conduzir carinhosamente até ao refeitório uma das utentes do Centro.

 

          Também aqui ladeado pelo Sr. Padre Melqiades e o Sr. Raul Cabecinhas, o presidente da Instituição, Sr. João Vieites, mantém animada conversação com o distinto sacerdote bajouquense.

 

           Uma tarde bem vivida, com gente que ajudou, e continua ajudando, a promover a sua terra e que por isso faz parte do patrimonio humano da capital do barro leiriense. A comunidade generosa e agradecida como é, sabe também recompensar os seus idosos com especial carinho

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 10:23


NS da Graça e da Enxara

por aquimetem, em 09.04.14

 

Antiga igreja matriz de Ouguela

Não foi só Torre de Vale de Todos (Ansião) e Palhais (Barreiro) que a recente reforma administrativa beliscou,  muitas outras freguesias sofreram as consequências dessa lei. Só que estas, por terem Nossa Senhora da Graça por padroeira, mexeram mais com a minha sensibilidade e respeito pela histórica do meu país, que para certos políticos nada conta. Se no concelho de Ansião, Torre de Vale de Todos, com a Lagarteira passaram a constituir a União das freguesias de Ansião, Lagarteira e Torre de Vale de Todos; e no do Barreiro, aconteceu o mesmo com Palhais e Coina, já no de Campo Maior vamos dar com Nossa Senhora da Graça padroeira de Ouguela, aldeia que foi paróquia há muito mais anos, e absorvida  pela  freguesia de São João Batista; mas mantendo-se fiel ao seu passado histórico e sempre sob proteção da sua padroeira que dá o nome ao Centro Comunitário Nossa Senhora da Graça, instituição onde é dada “Resposta social que engloba serviços e atividades diversificadas de acordo com as necessidades sentidas pela população de Ouguela integrando de forma harmoniosa todas as gerações, tendo em vista a integração e formação social das pessoas e da comunidade”. Vizinho desta histórica localidade fica o famoso santuário de NS da Enxara onde para festejar a quadra pascal centenas de fieis se deslocam para ali na Sexta-feira Santa e acampando dois ou três dias só regressam no Domingo de Páscoa ou na Segunda-feira de Pascoela. A festa consta de Missa Campal e Procissão; tourada e outros divertimentos atrativos.

 

Igreja matriz de NS dos Degolados

Não ficou o culto graciano sem representação destacada no concelho de Campo Maior, pois na freguesia dos Degolados tem Nossa Senhora da Graça como sua padroeira. Terra cujo povoamento se diz rondar o ano da descoberta do Brasil, 1500, havendo registos de 1538 que dão noticia de um monte conhecido por “Herdade de Degolados”. Mais tarde, em 1591 surge o primeiro aglomerado de casas e a respetiva fixação de moradores. Começando a ser conhecida como instituição autónoma no século XVII e pertencente, então,  ao concelho de Arronches. Passou em definitivo para Campo Maior a 06 de Dezembro de 1926, e com mais as paróquias de Nossa Senhora da Expectação e de São João Batista, Nossa Senhora da Graça dos Degolados  dá forma ao todo de um concelho, onde Nossa Senhora da Graça e da Enxara são cultuadas e o benemérito Manuel Rui Azinhais Nabeiro, desde 1961 presidente do Grupo Nabeiro/Delta Cafés, é rei e senhor e da sua terra amigo dedicado.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:09


Agora é só aguardar

por aquimetem, em 23.02.14

 Com apresentação do Prof. Doutor Armando Palavras, ocorreu ontem, dia 22 de Fevereiro, na Biblioteca Municipal de São Lázaro, em Lisboa, o lançamento do opúsculo "Nossa Senhora da Graça - Na Fé dos Mareantes"; uma pequena brochura que  contém o arrolamento de todas as paróquias de Portugal continental e insular consagradas a Nossa Senhora da Graça e aborda outras que não sendo de culto graciano, este, também ali é fervorosamente festejado. É o caso dos Milagres, em Leiria; de São Mamede de Talhadas, em Sever do Vouga; do Eixo, em Aveiro; de São Vicente de Pereira Jusã, em Ovar; de São Bartolomeu de Vale de Pinta, Cartaxo; de Santo Antão de Padim da Graça, Braga; de São Pedro de Vilar de Ferreiros, Mondim de Basto; ou São Pedro de Manteigas (Manteigas), donde partiu a devoção e a imagem da padroeira da paróquia de Graça, de Benguela (Angola). Destaque dá-se  também a Nossa Senhora da Graça de São Salvador da Baia (Brasil) que graças ao insigne estudioso brasileiro Christovão de Avila soube foi a primeira Padroeira de terras de Santa Cruz.

 Numa cerimónia muito familiar, mas com forte vertente intelectual, um punhado de bons amigos valeu por uma casa cheia. Quanto ao texto o Prof. Doutor Armando Palavras teceu uma elogiosa apreciação como é típico das pessoas generosas.Também a Maria da Graça interveio, assim como o Dr. Artur Couto que com muita lógica fez uma apreciação critica. 

 

Com a presença do ilustre historiógrafo minhoto, Jofre de Lima Monteiro Alves; do distinto beirão, José António Silva; do barrosão, Dr. Artur Monteiro do Couto; da divulgadora dos trasmontanos com mérito, a mondinense Maria da Graça Matos; do apreciado poeta e escritor João de Deus Rodrigues, de Macedo de Cavaleiros; do conceituado bajouquense Dr. José Vitoria Fernandes; do autor, um filho de Vilar de Ferreiros; do orador convidado  Armando Palavras, afecto a Freixo de Espada a Cinta; e da Dra.Gisela, na caixa e nas fotografias, o lançamento ficou feito. Agora é só aguardar por melhores dias...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:37


Em demanda do Presépio

por aquimetem, em 08.12.13

Carnide (Lisboa) Nossa Senhora da Luz.

          O Dia 8 de Dezembro é o Dia da Imaculada Conceição, ou simplesmente Dia da Imaculada.  É uma festa universal definida por Sisto IV, em 28 de Fevereiro de 1476. Todavia só a 08 de Dezembro de 1854 é que Pio IX definiu solenemente como dogma de fé a Imaculada Conceição. Apoiando-se para isso não só nos textos bíblicos, como também nos escritos de Santo Ireneu de Lyon e Santo Ambrósio de Milão, Padres da Igreja que sobre o assunto haviam tratado já com profundidade teológica. E não podia ser doutro modo, uma vez que Maria, a “cheia de graça”, em cujo ventre Jesus encarnou, tinha forçosamente  que estar isenta de pecado para poder gerar a 2ª Pessoa da Santíssima Trindade.

 

Nazaré (Israel) aqui, o Anjo anunciou a Maria.

          O dogma reza que a Virgem Maria foi preservada por Deus, da falta de graça santificante que aflige a humanidade, porque ela estava cheia de graça divina. Diz ainda que a Virgem Maria viveu uma vida completamente livre de pecado. Em Portugal, com o titulo de Nossa Senhora da Conceição, ela é rainha e padroeira desde o inicio do reinado da Dinastia de Bragança. A ordem militar de Nossa Senhora da Conceição foi instituída por D.João IV, que alegadamente sintetizaria um culto que em Portugal existiu muito antes de ser dogma, pelo menos na sua designação remete para o conceito popular, não para o conceito teológico afirmado pelo dogma. Do mesmo modo, as paróquias portuguesas anteriormente listadas adoptaram a designação “Nossa Senhora da Conceição” ou “Conceição”, mas não “Imaculada Conceição”. Dia bonito, este, que entre nós já foi Dia da Mãe e do qual o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, nos diz hoje:

          "Não estamos diante de uma simples festa cristã ou de capricho religioso. O dogma resulta de tudo quanto a Igreja viveu até aqui e vive hoje em toda a sua plenitude. Faz parte da identidade da Igreja. Isso mesmo o prova o texto proclamado por Pio IX que apoia a sua argumentação nos Padres e Doutores da Igreja e na sua forma de interpretar a Sagrada Escritura. Ele, de facto, reconhece que este dogma faz parte, depois de muitos séculos, do ensinamento ordinário da Igreja". Este ano calhou ao domingo, o 2º do Advento, guiados por Maria vamos em demanda do Presépio

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:46


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D