Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




tasca do ti Zè Rato

por aquimetem, em 08.02.08

 

 

             Foi uma tarde de Domingo Gordo à maneira e nem a chuva que se preparou para estragar a festa teve força para vencer e demover os bajouquenses de reinar ao Carnaval com aquela animação própria da quadra e da boa disposição deste povo generoso e alegre. O "Corso" revertia a favor da Paròquia e quando assim  è toda freguesia se esmera em dar e se dar no mais que pode. Foi o que agora aconteceu com os diversos lugares a organizarem-se em saudável competição para com seu engenho, labor e desprendimento, brincando  servir a comunidade.

           A concentração do cortejo deu-se à porta da Celia do Arneiro, donde partiu às 14h30 para no adro da igreja desfilar perante um júri com a soberana responsabilidade de atribuir um presunto ao lugar mais votado, outro ao melhor agrupamento carnavalesco e uma garrafa de whisk ao individuo  mais bem mascarado do "corso".

          Por decisão unânime ..., ou nem tanto, à  Bajouca Centro,  por ser a mais votada, calhou um presunto; ao dinámico e jovem grupo Alfa  calhou outro e ao Rui Pedro por ser quem melhor representou o que muitos constumam fazer o ano inteiro, là carregou com a garrafa do whisky ate  à Bouca de Là.

 

          O  Cada lugar escolheu o tema que melhor entendeu, gostei de todos, embora o do lugar da Capela ou Bajouca Centro me tenha merecido particular simpatia, ou náo tivesse sido  eu mais  a minha "comadre"  Manuela Afonso dos convidados para  apadrinhar os "Noivos". Hà, ainda náo tinha dito que o tema deste lugar foi fazer reviver o casamento à antiga portuguesa, papel que o jovem Nuno Sousa e a jà madura Saudade Rata, que de Lisboa veio propositadamente para participar no corso, muito bem interpretaram. 

          A carrocaria de uma caminheta serviu para mostra e transporte dos "noivos" e dos apetrechos que dantes constituiam o todo da casa tradicional: uma cama, uma arca, uma mesa, uma cantareira, duas ou tres cadeiras, um chuveiro, um penico, um candeeiro e pouco mais do que dantes servia para fazer um casal viver feliz. 

          A chuva que acabou por aparecer náo impediu que os noivos recebecem a  "visita" que a noiva guardava e o noivo ia apontando no rol. A jornada acabou com o leiláo das ofertas e regadinha com  chuva do cèu e sumo da  tasca do ti Zè Rato. Foi giro. 

A "noiva" ladeada pelas manas  Maria Emilia  e Beatriz Rata

A "madrinha"  ao lado da "noiva"

O Rui da Isabel, com vergonha de mostrar a cara...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:20


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D