Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



As Santas tradições

por aquimetem, em 03.06.13

          Por decisão de um governo, apostado em salvar Portugal da "banca rota" e conseguir a recuperação da economia nacional, foram eliminados dois feriados e dois "dias santos" que faziam parte da história e da memória colectiva. Desse modo a Festa do Corpo de Deus, ou Corpus Christi que se celebrava 60 dias após a Páscoa, este ano pela primeira vez na história do país deixou de se celebrar na Quinta-feira seguinte ao Domingo da Santíssima Trindade para acontecer no domingo mais próximo, desta vez foi a 2 de Junho. A decisão governamental de eliminar este feriado de principio trata-se de uma suspensão até 2018 altura em que a situação será reavaliada com a Santa Sé. Oxalá que nessa ocasião a voz dos fieis cristãos já se faça ouvir...

 

           A primeira “festa" do Corpus Christi surge em consequência das revelações recebidas pela Beata Juliana de Retinne (Bélgica) por volta de 1246. Todavia só ganhou relevância universal desde que o Papa Urbano IV, em 1264, pela bula Transiturus, estendeu esta festa a toda a Igreja, como solenidade de adoração da Sagrada Eucaristia.

 

 

          Em Portugal embora haja referências à sua comemoração desde os tempos de D. Afonso III, foi no reinado de D. Dinis e apartir de 1282 que a festa do Corpus Christi começou a ser oficialmente celebrada em todas cidades e vilas portuguesas.

          Evento com mais de setecentos anos de prática efectiva no país, merecia maior respeito e consideração por parte dos nossos governantes e políticos, mesmo que não católicos. A machadada não foi na Igreja, mas sim na História de Portugal. Há dias o Papa Francisco I, afirmava:  “Os corruptos esquecem o amor de Deus, estão apaixonados por si mesmos. Quanto mal fazem na Igreja!”.

 

          As asneiras dos homens Deus as perdoa e ajuda a remediar, quem no domingo passado desceu à baixa alfacinha pôde em parte testemunhar isso mesmo ao ver a afluência de fieis que da cidade e arredores vieram incorporar-se na Procissão. Presidiu o cardeal D. José Policarpo agora na condição de Administrador Apostólico da Diocese de Lisboa.

 

           Com o lema " Cristo vivo no coração da Cidade" a Procissão teve inicio às 17:00h no Largo da Sé e percorreu várias das ruas de Lisboa: Rua das Pedras Negras, Rua da Madalena, Rua dos Condes de Monsanto, Praça da Figueira, Rua da Prata, Rua da Conceição, Rua de Santo António da Sé e Largo da Sé, onde terminou cerca das 19:00h com a tradicional bênção. Após a bênção o Senhor D. José Policarpo dirigiu-se aos milhares de fieis que encheram as ruas da baixa e se incorporaram nesta Procissão que foi a sua última como Pariarca de Lisboa para lhes agradecer a participação e resposta ao seu apelo.

a

      Das palavras ditas ficou: Confesso que já estou com saudades, mas vamos continuar unidos como membros desta Igreja que amamos. Até aqui vos sabíeis como é que me havíeis de encontrar. A partir daqui nem eu sei garantir-vos, mas há um segredo que vos queria dizer: Quando estiverdes a adorar o Senhor diante da Eucaristia é muito provável que me encontreis lá”.

 

           Para memória visual ficam também mais algumas fotos

          Ordens, irmandades e associações desde sempre participaram nesta Solenidade

           Também as instituições religiosas e poroquiais se fazem representar com todo o primor, aqui vemos o paroco de Santa Justa e Santa Rufina, Padre Vítor Gonçalves desfilando em território da sua área pastoral. 

 

          Na primeira fila, ao lado de um dos elementos da organização, o Vigário Regional da Prelatura do Opus Dei, em Portugal, Mons. José Rafael Espírito Santo.

           Na cauda do desfile cerimonial o Pálio e nas mãos do Cardeal D. José Policarpo o Sagrado Corpo e Sangue de Jesus Cristo, o Cristo Vivo. 

           Logo atrás do pálio centenas de fieis acompanham o cortejo com muito respeito e devoção, se vê aqui já no regresso com a igreja da Madalena ao fundo.

 

          O Largo da Sé foi pequeno para receber tantos fieis, muitos limitaram-se ao ouvir pelos altifalantes que a organinazação colocou ao longo do trajecto. A solenidade celebrou-se e celebra-se na mesma, mas  o seu dia é como sabemos a uma Quinta-feira, 60 dias após a Pascoa. Respeite-se a história e as santas tradições.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:31


Muita gente e muita fé

por aquimetem, em 17.06.10

          Mais uma vez decorreu com brilho, na cidade de Lisboa, a Festa do Corpo de Deus que anualmente se realiza na 5ª-feira a seguir ao Domingo da Santíssima Trindade.  Festa que no ano de 1246 teve a  sua origem na cidade de Liège  (Bélgica), e que depois, em 1264, o Papa Urbano IV, dotando-a com Missa e ofícios próprios, alargou a todo o mundo através da bula "Trânsitos.  Terá chegado a Portugal nos finais do século XIII, e é uma das 7 solenidades religiosas que o povo português  festeja, e a que mais nos torna  identificados com  a nossa condição de fieis cristãos.  

          Além da Festa do Corpo de Deus, temos mais o 1º de Janeiro, Dia de Santa Maria, Mãe de Deus; a Sexta-feira Santa, anterior ao Domingo de Páscoao 15 de Agosto, Assunção da Virgem Santa Maria; o 1 de Novembro, Dia de Todos os Santos; o 8 de Dezembro, a Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria, e a 25 de Dezembro, o Natal do Senhor. E mais devíamos ter, pois um 6 de Janeiro (Dia de Reis) ainda hoje se festeja em Espanha, e um 19 de Março (Dia de José) ou uma Quinta-feira de Ascensão (40 dias depois da Páscoa) são datas muito mais sentidas e vividas na alma do nosso povo do que por certo alguns feriados de ocasião....E  também não me venham dizer que é  devido aos dias santos de guarda  e aos feriados nacionais que Portugal entrou em crise económica e deixou de produzir riqueza, porque só os ignorantes  acreditam nos que fazem disso tese sua. Que são os mesmos de sempre: aqueles dos casamentos homossexuais. Na Alemanha que é o país economicamente mais forte da zona euro, na 5ª-feira do Corpo de Deus todo o comercio está encerrado, até nisto os alemães nos dão lições.

           Mas vamos à nossa Festa do Corpus Christi, sabido que: em Lisboa, a partir do século XV, a sua procissão se tornou numa das mais grandiosas manifestações de devoção popular. E hoje mais do que noutras alturas é necessário e urgente continuar a caminhar "partindo" de Cristo, ou seja da Eucaristia. " Comer este pão é comunicar, é entrar em comunhão com a pessoa do Senhor vivo", afirma o Papa Bento XVI. Caminharemos com generosidade e coragem, dispostos a ser fermento da comunhão e decididos a servir todos, sobretudo os mais pobres. 

          Depois de vários anos interrompida, o cardeal D. António Ribeiro voltou a restaura-la em 2003, e assim em Procissão de novo " Cristo Vivo" passou a percorrer como outrora o coração da Baixa alfacinha. Este ano o dia calhou a 3 de Junho, e  a Procissão saiu da Sé às 16h30 e pela Rua das Pedras Negras tomou a direcção da Praça da Figueira, e dali pela Rua da Prata ao encontro da Rua da Madalena por esta regressou  à Sé Patriarcal, cerca das 17h30. Muita gente e muita fé pudemos ver.  

Como sempre cabe as Forças de Segurança abrir fileiras....Aqui a GNR no comando!          

 A Cruz sinal do cristão

 

 Os vários estandartes e bandeiras

 

Diversas ordens e irmandades.

 

Arautos do Evangelho

 Religiosas de diferentes ordens

 Pça. da Figueira -  Párocos das diversas paróquias de Lisboa

 Dignatários da Igreja em serviço no patriarcado de Lisboa 

 O Prior de São Domingos e Capelão da Senhora da Saúde

O Palio que abriga a Custódia onde escondido vai Cristo em Corpo e Alma 

 Muito povo e muitas religiosas

 

 Filhas da Madre Teresa de Calcutá

 Rua da Prata - A cauda da Procissão

Largo da Sé

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:33


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D