Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Na diáspora, como eu.

por aquimetem, em 10.07.10

           Para falar com franqueza,  do  autor de Intimidades "Estados d'Alma", do Nelson T. Silvanão tenho dados biográficos que me permitam realçar o seu verdadeiro estatuto de conterrâneo meu, e como eu defensor de corpo e alma do nosso torrão que tem no Monte Farinha, nas Fisgas e no Tâmega a chancela que no panorama paisagístico de Portugal distingue as terras de Basto ou de Santa Senhorinha. Mas mediante a apreciação atenta que fiz desta colectânea de poemas seus, em 116 páginas derramados, deu-me para formar do autor uma imagem que suponho aproximada do seu perfil: social, espiritual e artístico; e  que vou tentar em síntese retratar aqui, e assim prestar homenagem a um poeta meu conterrâneo que desde já alcunho de "António Nobre",  de Basto", por ver na sua poesia uma semelhança nostálgica com a do portuense autor do SÓ.   

          Para me ajudar nesta tarefa conto em primeiro lugar com a colaboração de outro já consagrado poeta transmontano, o Nelson Vilela, que no seu prefácio à obra deixa comentado: " Parto do título: INTIMIDADES - do latim - Intimus - superlativo absoluto sintético de interno - interior - íntimo, adjectivo aqui substantivado. Intimo o que está dentro, no mais fundo do ser - a raiz de tudo, de todos os sentimentos e, portanto, à primeira vista, aí devia tudo ficar, mas não, este recinto reservado, mantido em segredo, salta, por necessidade de partilha, cá para fora, para o outro que se torna detentor do segredo; daí falar-se de pessoa intima, merecedora dos seus sentimentos, intimidades - intimidades que levam o leitor ao conhecimento dos estados de alma do poeta : anseios, alegrias, tristezas, crenças, natureza e Deus em toda a  dimensão do seu acto criador. É nesta amplitude de situações que emerge e se dimensiona a temática poética de Nelson Teixeira da Silva".

         Também do "Ginho, poeta e prosador mondinense de craveira, com diversos títulos publicados, fui recolher, na página 9 de "Estados d'Alma", os dados de que me sirvo e divulgo:" O Nelson gosta de escrever lá no alto, lá em cima - em divina contemplação. Na Bouça, quando a lua cheia parece  querer engolir o Toumilo Celta, ou aos pés daquela mulher de pedra que chora com Seu Filho no colo. Aos pés de Nossa Senhora da Piedade, por quem o Nelson tem uma grande devoção e com quem partilha, diariamente, uma grande cumplicidade. E então as suas estrofes cheiram a tojo e a rosmaninho e são tão frescas que conseguem saciar a gente como se estivéssemos a beber na Fonte do Eirô dos romeiros, ou na enfeitiçada Fonte do Barrio, que acorrentava a Mondim quem beijasse a sua boca. 

          O Nelson é um marido apaixonado, um pai babado e um escritor inspirado. Fez, comigo, animação e fez cultura, fez comigo, musica e fez teatro e canta, ao meu lado, no Coro de São Cristóvão de Mondim, já lá vão trinta e tal anos. Conto com ele, ao meu lado, para interpretar as mais difíceis partituras da minha vida. Agora, conto com ele como poeta. Como vocês podem contar".

          Para formatar  a "foto descritiva", a dedicatória do Nelson é um mimo de ternura que em nossos dias constitui um modelo de vida matrimonial a  ser apontado, ora reparem: " Á minha mulher Filomena, principio de todas as coisas, causa e origem destas e de outras mais sublimes criações -  os meus filhos Teté e Nelsinho. É deles e para eles, também, este livro pequenino.  Não fui capaz de mais. Mais mereciam". - As obras não valem pelo seu tamanho, mas pelo conteúdo e o amor com  que  o artista as apronta. Ora pelo que acabei de ler, o autor de Intimidades "Estados d'Alma" é desses, faz parte dessa  plêiade de eleitos que na antiga Grécia tinham o deus Apolo por protector. Os meus parabéns.

          Li a eito, para assim chegar seguro do Sofrimento....ao Outeiro. Detive-me com religiosa ternura a ler: Para ti, Mensagem, Visão do Sul, Procissão,  O FadoCartão de visitaNossa Senhora da Lapa e todo o restante desfilar de intimidades que discretamente o Nelson Teixeira da Silva com arte e harmonia em verso desenhou. À pessoa amiga que pelo correio me  fez chegar à mão esta valiosa jóia literária os meus sinceros agradecimentos, ao artista que tão bem a lapidou, só espero e  faço votos lhe sirva de lenitivo e o desperte para outras futuras produções. De modo a que  mais tarde  não venha também depois dizer aos mondinenses que "Mais mereciam"... quando sabemos ele querer dizer: merecem. E muito mais aqueles  que na diáspora, como  eu.          

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:04


barragem do Fridão

por aquimetem, em 06.03.10

          Quem  em direcção a terras  de Celorico  deixa Mondim, pela  recta da Pena,  de pronto dá  consigo  junto à "antiga serração" do Cunha Alegre e consequentemente da ponte que sobre o rio Tâmega separa Trás-os-Montes (Vila Real) do Minho (Braga). As placas de sinalização aqui  em evidência mostram bem que ali acabou  Mondim de Basto e que a ponte já está sob alçada da Direcção de Estradas  do Distrito de Braga. Assim, uma vez atravessada a ponte, entramos no Minho pela freguesia e paróquia de Santa Maria de Veade (Celorico de Basto).  

 

          Conforme do lado de São Cristóvão de Mondim se enxerga uma habitação ao fundo do tabuleiro, junto da qual outrora um tanque com dois fontenários de água fresca e cristalina saciaram a sede a muita gente, também quem desse lado de Veade olhar  para Mondim vê as instalações da dita fábrica de serração e perto dela,  junto  ao leito do Tâmega, o bar que durante o Verão serve os inúmeros banhistas e veraneantes frequentadores da zona.

          O Tâmega  a montante da ponte

           O Tâmega a jusante da ponte

 -

           O Tâmega no seu percurso por perto de  Amarante, onde ainda não há muitos anos corria como rio, hoje a cauda  da barragem do Torrão transformou o rosto paisagístico do Rio Sagrado que de terras de Espanha desce por uma nesga de Portugal a baixo até se encontrar com o Douro, em Entre-os-Rios. 

          Vítima dessa barragem, hoje a jusante  de  Amarante o Tâmega deixou de ser um rio para se transformar numa represa sem vitalidade que as algas e os mosquitos tomaram como espaço dantes reservado à flora e fauna tradicionais do nosso rio sagrado.

          O mesmo espectáculo  se verifica nas imediações do Marco de Canavezes, onde  mal chegam uns  dias mais quentes de Verão, logo é ver, como aqui, a albufeira  em  toda a sua  extensão revestida de algas azuis! Um foco de doença e degradação do ambiente e da paisagem natural. É o que está guardado para a região de Basto se entretanto  não travam a manifesta intenção dos inimigos do "sagrado tameobrigus", que teimam em primeiro matar Mondim e toda a região de Basto, e quando uma catástrofe do tipo da que  se abateu agora sobre o Chile,  então arrasar Amarante. Mas infelizmente até o Presidente da Câmara que votou contra a construção da barragem, já admite a construção desde que corra algum... O PS pode bater palmas!!!

          Activo está o Movimento de Cidadania para o Desenvolvimento no Tâmega, cujo Núcleo do Alto Tâmega vai levar a efeito no dia 8, às 20h30, no Salão Nobre dos B V de Vidago uma sessão de esclarecimento à volta do pretendido aproveitamento hidroeléctrico de Gouvães, Padroselo, Daivões e Alto Tâmega (Vidago), em fase de "consulta pública". Serão oradores António Luís Crespi ( Prof. da UTAD), José Emanuel Queirós (fundador do Movimento de Cidadania para o Desenvolvimento no Tâmega), Pedro Couteiro (COAGRET), João Branco (representante da Quercus-ANCN) e Amilcar Salgado (economista). 

          Também no próximo sábado, dia 13, o "Tâmega vai desaguar no salão dos Bombeiros Voluntários de Mondim de Basto".  O poeta e prosador mondinense Luís Jales de Oliveira lança, por volta das 21h30, mais um titulo da sua lavra, agora consagrado ao Tâmega  que querem mutilar: Corre-me um Rio no Peito.

          Para dar força e não permitir que o região de Basto se transforme numa banheira de água choca e pestilenta, aproveitem e vão até Mondim "dar um mergulho, matar saudades e fazer um brinde à nossa Região" e manifestar o vosso e meu "Não" contra a barragem do Fridão  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:20


Contar, Cantar e Pintar Mondim

por aquimetem, em 05.05.09

 

Foto recolhida duma  varanda da pensão residencial Arcádia

          Como estava anunciado decorreu de 2 a 4 do corrente na florida Sintra transmontana mais um certame cultural intitulado "Contar, Cantar e Pintar Mondim". Nesta 2ª Edição o tema em destaque foram os três principais rios que banham terras do concelho : CabrilÔlo eTâmega.Trata-se de uma  louvável iniciativa da Junta de Freguesia de São Cristóvão de Mondim de Basto, a que preside o Sr. Fernando Maria Dinis de Carvalho Gomes. e que merece ser reconhecida.

          Os oradores escolhidos para  de cada um dos rios falar, foram: José Augusto da Costa Pereira, um ferrenho mondinense, de Vilar de Ferreiros, que do rio Cabril  se ocupou.

          Do Ôlo dissertou o Dr.José  Faria, distinto médico que há muitos anos radicado em Mondim, conhece melhor o rio da "ponte dos presuntos" do que muitos mondinenses, como eu.

         Ao Luis Jales de Oliveira, o "Ginho", encarregaram de cantar o Tâmega, e ele com o seu engenho e arte se encarregou de o fazer com  mestria e  agrado dos muitos convidados. O apresentador e dinamizador do certame foi o meu homónimo e companheiro de letras, José Teixeira da Silva, que felicito por mais uma publicação, agora o  opúsculo  sobre a vida de Valdemar Cardoso Alves.  Parabéns. 

Eng. F.Ribeiro, Fernando Gomes, Mons. Minhava, Dr. Alves

Peixoto e J. Teixeira da Silva

          O certame teve inicio, no sábado, ás 14h00, com a recepção aos convidados, no quartel dos Bombeiros Voluntários. A abertura oficial foi  às 14h30, com a presença do Engº. Francisco Ribeiro, em representação do Sr. Presidente da Câmara Municipal de Mondim, Pinto de Moura, que por motivos de saúde não pode assistir; Presidente da Assembleia Municipal, Dr. Joaquim Avelino Alves Peixoto; Presidente da Junta da Freguesia de Mondim, Fernando Maria Dinis de Carvalho Gomes, e Monsenhor Angelo do Carmo Minhava,  figura incofundivel na cultura das letras e das artes  musicais.

          Às 15h00, com apresentação dos intervenientes, por Teixeira da Siva, foi dada a palavra aos oradores convidados: Elisa Dinis, Engª. Ambiental, Mons. Minhava, Costa Pereira, Dr. Faria e Luis Jales de Oliveira que animaram a tarde até cerca 18h30.

 Cabril, praia fluvial dos Cavacos

         A noite foi abrilhantada  com um serão musical que a consagrada  Dinora Campos  materializou e os assistentes aplaudiram durante umas duas horas e que teve inicio as 21h30. 

           O domingo, dia 3,  foi destinado a homenegear o Dr. Nelson Vilela, um transmontano de Vilarinho da Samardã que um dia veio parar a Mondim e aqui criou e deixou raizes.

           Como director que foi do ex-Externato Srª  da Graça formou gerações e criou amizades entre colegas e alunos, por isso lá se viu rodeado de amigos, como Monsenhor Minhava; colegas, como um Valdemar Cardoso Alves, e alunos como uma Maria da Graça que de Lisboa foi propositadamente saudar a merecida homenagem ao poeta que tanto admira.     

          Todos reunidos num almoço, que por volta das 13h00 ocorreu num restaurante da vila, ex-alunos e professores do também ex-externato, cumpriram um dever de gratidão digno de louvor. A marcá-lo esteve Monsenhor Minhava, como orador  notavel pelo seu saber, e o Grupo Coral de São Cristóvão que encerrou esta memorável homenagem ao autor de Livro de Horas. Houve ainda tempo para depois, às 22h00,  na Sede da Freguesia se recordar e prestar homenagem postuma um mondinense que muito escreveu, bem como  a seguir ver os rios pelos olhos de um  canoista. Não assisti, confesso.

          O certame só ontem, segunda-feira, dia 4, encerrou a esta hora com um progama assim  apresentado: 09h30 - Exposição aberta aos alunos  do agrupamento de Escolas de Mondim de Basto.

          11h00-homenagm dos 900 anos do nascimento de D.Afonso Henriques. Com apresentação do livro do autor Pedro Seramenho - Alunos do 5º ano.

           14h00- Alunos do 5º e 6º ano.

           20h00 - Abertura

           Presidente da Junta de Freguesia

           Vereador da Cultura do Município de Mondim  de Basto

           21h00 - Entrega dos prémios dos concursos ( literário,fotográfico e plástico).

           21h30 - apresentação das obras literárias dos autores:

          José Teixira da Silva - "Valdemar cardoso Alves, o homem, o professor e o político"

          Adelino Ínsua  - " Livro de esmolas"

          23h00 - encerramento desta que foi a 2ª edição de "Contar, Cantar e Pintar Mondim"

 

 Flores do sedutor e didatico jardim mondinense  

 

 Casa da igreja ou Casa da Cuitura de Mondim de Basto

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:53


Vilarinho da Samardã

por aquimetem, em 16.09.08

VS. Nesta árvore centenária está pregada uma tosca placa,

com a indicação: Rua Camilo Castelo Branco . Mais ao fundo

vê-se uma janela da casa de Camilo

          Vilarinho da Samardã é uma freguesia do concelho de Vila Real que confronta com as suas congéneres vila-realenses de Adoufe, São Tomé do Castelo, Telões (Vila Pouca de Aguiar) e Lamas de Ôlo.

          Situada a norte do concelho, no vale  do  rio Corgo, entre as  "serras" do Alvão e do Mesio, esta freguesia  fica no trajecto que liga Vila Real a Vila Pouca de Aguiar pela ENnº2, e mais recentemente também pela A24.  

          Embora por diversas vezes ali tenha passado e até parado para almoçar no "Fojo do Lobo" nunca havia descido ao centro da freguesia e paróquia de São Martinho de Vilarinho da Samardã. Fi-lo na tarde do passado dia 31 de Julho, graças a um meu dilecto familiar  que, residente em Vila Real, se disponibilizou  a satisfazer o meu  desejo, conduzindo-me até ao bucólico lugar  que entre 1839 e 1841 acolheu o imortal Camilo Castelo Branco, e que tem sido alfobre de figuras célebres nos diversos ramos do saber humano. Para não ferir sensibilidades, em vez de nomes, apenas recordo aqui alguns  apelidos  de famílias que à terra deram, e continuam a dar, honrosa fama, a saber: Azevedo, Veiga Castelo Branco, Alves e Vilela.   

          Foi uma visita muito passageira e que portanto não deu tempo suficiente  para apreciar  os encantos da terra que  recorda  Camilo,  em relação a si, foi  " ... Onde passei os primeiros e únicos felizes annos da minha mocidade", como consta gravado em placa de mármore à entrada da casa onde o romancista viveu. Mereceu a pena, pois além de ficar a conhecer mais um dos locais que o autor de Novelas do Minho pisou, fiquei também a saber que Santo Afonso tem capela na aldeia onde nasceu o Dr. Nelson Vilela, e que pena tive não ter  encontrado lá para me falar com saber fundamentado da história e gentes de Vilarinho da Samardã

  

Ao cimo das escadas e entrada na casa de Camilo fica esta

placa, onde consta a descrição que já fiz no corpo deste post 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:16


Parabéns Dr. Nelson

por aquimetem, em 03.09.08

N. Vilela

          Sim, senhor! Nunca pensei que que a minha modesta homenagem ao poeta e prosador transmontano Nelson Vilela neste meu blog "Ao sabor do tempo" viesse a merecer tamanha apreciação por parte dos amigos e admiradores deste ilustre filho de Vilarinho da Samardã, mas o facto é que assim aconteceu: 82 comentários até este momento! É obra! Pela minha parte, uma vez mais: parabéns Dr. Nelson.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:16


Nelson Vilela

por aquimetem, em 10.07.08

          Ouvi falar muito nele, nos inícios da década de 60, quando em boa hora o Bispo de Vila Real, D. António Valente da Fonseca reconheceu a soberania de Vilar de Ferreiros na Ermida do Monte Farinha e a colocou  sob administração do Padre Manuel Joaquim Correia Guedes. Estou-me a referir ao Dr. Nelson Vilela, um consagrado poeta e prosador que só por ingratidão ou ignorância das nossas editoras  não tem a sua obra divulgada à medida da respectiva amplitude e importância cultural. E verdade seja dita, que se não fora uma dilecta conterrânea minha me ter alertado para esta realidade, por espontaneidade minha também o não fazia, confesso. Isto porque embora admirador seu, apenas uma vez o vi e nos cumprimentamos por ocasião do lançamento de um livro do Luís Jales de Oliveira, na vila de Mondim.

Mas quem é o Dr. Nelson Vilela?

          Nelson Vilela, nasceu em Vilarinho da Samardã, em 1933, oitavo filho de uma família numerosa (14 irmãos). Cursou Teologia no Seminário de Vila Real. Aos 18 anos publicou o seu primeiro livro de poesia "Saudade", com autorização do Bispo D. António Valente da Fonseca que por ele nutria muito carinho e o encorajamento do ilustre filólogo Mons. Ângelo do Carmo Minhava. Que do Nelson fez saber : " Homem de raras qualidades, mas muito modesto, podia, se outro fora o seu temperamento, impor-se no arraial das letras..."    Em Portugal só quem for aventureiro é que trepa...

          Nunca tendo exercido qualquer ónus eclesiástico, pediu e obteve dispensa desse múnus e dedicou-se ao Ensino, após se ter licenciado em Filologia pela Universidade do Porto.  

         Leccionou em Mondim de Basto, Nova Lisboa,  Évora, Alcácer do Sal, Chaves e Braga. Pertence à Associação dos Autores de Braga e já fez parte da Direcção. Das muitas obras suas, realço: Saudade, Asas de Espuma, Mar e Sombra, Inquietação,  Pedaços do mesmo sonho, Regresso, Sempre em Caminho, Livro de Carla, O Sal e as Lágrimas, entre outros.  

          Um distinto poeta e prosador  comprovinciano de Torga, e natural da aldeia transmontana que marcou e acolheu Camilo Castelo Branco, em menino e moço, e cuja   simplicidade e modéstia do autor não é motivo para desculpar a  amnésia de certos  editores e livreiros. O valor a quem o tem!

          Obrigado Maria da Graça, pelo alerta, também como transmontano de Basto, com ele canto, agora :

          " E orgulho tenho de nascer assim

             Podem rufar tambores, arrais e viras

             É de lá que sou... foi de lá que vim."

                                           In Sempre em Caminho, de Nelson Vilela

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:58


receio de ser preso

por aquimetem, em 20.12.07

           Quem está detido gosta de ser indultado, quem se sente lesado pelo mal que sofreu, por parte do condenado, certamente que fica magoado. Mas pior quando acontecem casos como sucedeu o ano passado em que "um dos indultados era um foragido, condenado, com processo anterior, a quatro anos e meio de cadeia e sobre o qual pendiam vários mandatos de captura nacionais e internacionais por ter fugido para o estrangeiro".  Oxalá este ano o Presidente da República não confie demasiado na lista que lhe é apresentada com os propostos a indulto, porque amigos, amigos, negócios à parte...

            Em vez de conceder indultos  a esta gente, o País  devia  era dar trabalho aos presos, como no tempo em que se construiu o Palácio da justiça de Vila Real e o do Porto, dois que me lembro. Havia menos malandros e mais receio de ser preso. Boas Festas!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:57


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D