Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Nelson Vilela

por aquimetem, Falar disto e daquilo, em 10.07.08

          Ouvi falar muito nele, nos inícios da década de 60, quando em boa hora o Bispo de Vila Real, D. António Valente da Fonseca reconheceu a soberania de Vilar de Ferreiros na Ermida do Monte Farinha e a colocou  sob administração do Padre Manuel Joaquim Correia Guedes. Estou-me a referir ao Dr. Nelson Vilela, um consagrado poeta e prosador que só por ingratidão ou ignorância das nossas editoras  não tem a sua obra divulgada à medida da respectiva amplitude e importância cultural. E verdade seja dita, que se não fora uma dilecta conterrânea minha me ter alertado para esta realidade, por espontaneidade minha também o não fazia, confesso. Isto porque embora admirador seu, apenas uma vez o vi e nos cumprimentamos por ocasião do lançamento de um livro do Luís Jales de Oliveira, na vila de Mondim.

Mas quem é o Dr. Nelson Vilela?

          Nelson Vilela, nasceu em Vilarinho da Samardã, em 1933, oitavo filho de uma família numerosa (14 irmãos). Cursou Teologia no Seminário de Vila Real. Aos 18 anos publicou o seu primeiro livro de poesia "Saudade", com autorização do Bispo D. António Valente da Fonseca que por ele nutria muito carinho e o encorajamento do ilustre filólogo Mons. Ângelo do Carmo Minhava. Que do Nelson fez saber : " Homem de raras qualidades, mas muito modesto, podia, se outro fora o seu temperamento, impor-se no arraial das letras..."    Em Portugal só quem for aventureiro é que trepa...

          Nunca tendo exercido qualquer ónus eclesiástico, pediu e obteve dispensa desse múnus e dedicou-se ao Ensino, após se ter licenciado em Filologia pela Universidade do Porto.  

         Leccionou em Mondim de Basto, Nova Lisboa,  Évora, Alcácer do Sal, Chaves e Braga. Pertence à Associação dos Autores de Braga e já fez parte da Direcção. Das muitas obras suas, realço: Saudade, Asas de Espuma, Mar e Sombra, Inquietação,  Pedaços do mesmo sonho, Regresso, Sempre em Caminho, Livro de Carla, O Sal e as Lágrimas, entre outros.  

          Um distinto poeta e prosador  comprovinciano de Torga, e natural da aldeia transmontana que marcou e acolheu Camilo Castelo Branco, em menino e moço, e cuja   simplicidade e modéstia do autor não é motivo para desculpar a  amnésia de certos  editores e livreiros. O valor a quem o tem!

          Obrigado Maria da Graça, pelo alerta, também como transmontano de Basto, com ele canto, agora :

          " E orgulho tenho de nascer assim

             Podem rufar tambores, arrais e viras

             É de lá que sou... foi de lá que vim."

                                           In Sempre em Caminho, de Nelson Vilela

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:58


115 comentários

De Anónimo a 05.08.2008 às 15:35

correcção - na linha 8 do texto fecha parentesis em Zéca; na linha 9 em vez de investir deve ler-se ensinar.

Nelson Barroca

De Nelson Barroca a 05.08.2008 às 15:49

Correcção - na linha 8 do texto fecha parêntesis em Zéca ; na linha 9 em vez de investir deve ler-se ensinar.

Nelson Barroca

De Maria daGraça a 06.08.2008 às 14:02

Erro em Majestoso, as minhas desculpas.Pelo menos este apercebi-me.~Perdão pelos outros que não verifiquei.

De anónimo a 08.08.2008 às 11:04

ENTRE URGUEIRAS E CARQUEIJA-Histórias de Meninos , hoje ; já homens feitos,passadas em Vilarinho de Samardã, "Onde os rios cortam as montanhas as tiras,e onde Deus , sem mar, imaginou Mastros e Caravelas , e onde pedras e estrelas, dormem à mesma altura...è de lá que Ele é.
PARABÉNS AO NOSSO POETA!!! 8/8/2008

...Ainda há tempos o Manuel Armindo e o João Manuel, conversavam quase em segredo:-Qual vai ser o nosso programa deste fim de semana?-Quis saber o da Bouça.
-Estamos a precisar de fazer uma patuscada, um galo ou um coelho e uma panela de arroz, daquele arroz a fugir, arroz malandro , a condizer conosco,que achas?-Propõe o joão.
-E onde caímos desta vez?-interroga o Armindo com a saliva a sair-lhe da boca.
-Se fossemos ao pilha, ao galinheiro ou á coelheira da prima Glória Alves?-Está bem, como é prima, fica tudo em casa, e quase não é pecado, concorda o Manuel Armindo, e acrescenta:mas a coelheira é mais escondida, fazemos o serviço com mais segurança...
-Pois está feito, é para lá que vamos.A conversa acabou ali, até que naquele sábado os assaltantes á hora combinada, lá estava já a subir o calço do quintal dos Alves, pelo lado mais escuro e de borregas, por entre as couves e favas, em direcção à coelheira.O Armindo ficou á porta de guarda.Ás tantas aparece o João Manuel com um enorme coelho a esgaratujar e a maldizer a sorte daquele momento. Primeira reação do Manuel Armindo:-Eh ! Valente!...Mesmo no escuro, soubeste escolher! Bela peça!...
Mas depois , examinando a presa com mais precisão, lamentou por entre dentes:
-Porra, João Manuel, este não!...Este é da minha mãe! É o macho da casta!...Emprestou-lho para cobrir as coelhas!-O assaltante caçador quase não conteve uma risada aberta.Voltou ao fundo do cortelho, e operou a troca,suspendeu o bicho pelas patas de trás,uma sapatada sêca rente ás orelhas, para evitar chiadas denunciadoras, e ó pernas para que vos quero, a preparar a patuscada...
O pior foi que era tempo de Quaresma e havia que ir á desobriga, e lá tudo se sabia, só se viesse um padre de fora....

Do Livro Entre Urgueiras e Carqueija um belo livro e de dar gargalhadas de Nelson Vilela

Desejamos um dia muito Feliz ao nosso Poeta!!!!

De jts a 08.08.2008 às 18:38

A ideia está em marcha e não vai parar mais...!
Vamos festejar num salutar convívio fraternal,
a amizade, o afecto, o respeito, e a saudade que todos sentimos, das aulas no Externato de Nossa Senhora da Graça, que o Director e Professor Nelson Vilela, nos dava.
Mas, quero aqui fazer um apêlo aos senhores Professores, Norberto Amadeu Cunha, Arlindo Pinto e Cruz, Valdemar Cardoso Alves, Mário, Fernando e Conceição Vilela e a todos os que leccionaram no Externato, que se juntem a nós, nesta jornada de amizade e convívio.
Dificilmente poderemos encontrar nos nossos dias, - salvo o devido respeito - um conjunto de amizades, como as que cultivamos (Professores e Alunos) na nossa passagem pelo Externato de Nossa Senhora da Graça.
Para este "blog", cuja porta o meu amigo Costa Pereira, nos disponibilizou, devem ser enviadas todas as opiniões e ideias, para que possamos constatar, o número, os meios, o local e a data de realizarmos a festa.
Para todos os bloguistas, que por aqui têm passado, um abraço de grande amizade.
Teixeira da Silva.

De Maria da Graça a 11.08.2008 às 19:46

Olá sr.Teixeira da Silva!
Venho cá só para recordar ao amigo, que possivelmente se encontra muita gente de férias, por isso este silêncio.Não seria melhor aguardar o fim de Agosto ou mesmo principio de Setembro?-É só uma ideia.Além disso também se podem convocar pelo telefone ,pois há pessoas que nem sabem que existe o blog, não lhe parece bem?-Fico ao dispor.
Um abraço e enfrente.
Maria da Graça

De jts a 11.08.2008 às 21:52

Maria da Graça... tens toda a razão e além do mais, como muito bem dizes, o pessoal nesta altura está em férias e não se apercebe deste nosso movimento.
Vamos dar mais um tempinho e lá para Setembro, vamos aparecer de novo e com força, para organizarmos com a colaboração de todos, a nossa festa, isto é: a festa do nosso Professor e Director, Nelson Vilela.
Um abraço,
Teixeira da Silva.

De OlindaGil a 30.09.2008 às 23:44

Passei por aqui numa busca que fiz no google destinada a procurar elementos sobre o grande professor que tive "Nelson Vilela".
Estou a preparar um artigo sobre ele para publicar no meu blogue educativo e fiquei muito contente por encontrar por cá os netos e a filha deste grande poeta.
Foi meu professor na Escola do Magistério Primário de Braga e mais tarde foi professor da minha filha na Escola André Soares.
Obrigada Professor Nelson!
Olinda

De aquimetem, Falar disto e daquilo a 01.10.2008 às 11:48

Folgo por ver mais uma ex-aluna do Prof. Nelson Vilela descobrir e usar deste meu blog para manifestar publicamente o apreço e admiração que nutre pelo distinto mestre e transmontano ilustre que em boa hora calhei lembrar aqui. Os bons alunos costumam imitar os mestres. Bem haja, D.OlindaGil, e se esse tal artigo poder ser lido por mim, muito gosto me dará. Muitas felicidades!

De Anónimo a 25.10.2008 às 19:33

Olinda, vi , li e admirei o teu blog. Parabéns por todas as tuas realizações - conquistas do teu imenso talento. Mais uma vez parabéns e o meu incentivo. Pela recordação emotiva da minha pessoa como professor o meu obrigado. Um abraço

De OlindaGil a 01.10.2008 às 18:27

Olá Aquimetem

Já publiquei um pequeno tributo ao Professor Nelson Vilela no meu blogue.
Espero que ele ainda se lembre de mim.
A ruiva sardenta e faladora.

De aquimetem, Falar disto e daquilo a 01.10.2008 às 21:13

Ele merece. Não sei é se vai descobrir a vossa demonstração de carinho no meio de tantos comentários aqui expressos no meu blog. Oxalá que sim. Bem haja, ele merece.

De AQUIMETEM a 25.10.2008 às 21:53

Olinda Gil, tem recado no Aquimetem! É dificil entrar no seu blog.Abraço


De mgraça a 26.10.2008 às 11:24

D.OLINDA GIL professora, tenho de lhe dizer que é TRANSCORRIDO mais de uma semana ,que ando ás voltas no seu blog belissimo; mas não tive engeno p`ra lá BOTAR o texto que o nosso Professor cá deixou ,há já muitos dias; devo ter cometido ENXURRADAS de asneiras, minha Nsa Senhora me ajude também a mim!...
Não quiz deixar de lhe dizer que ficámos muito felizes quando entrou no nosso blog.Vê-se logo que teve o noso Poeta como professor!!!
Parabens, pois tem uns lindos cabelos ruivos.
Montanhas de beijos de Mondim e continue sempre a divulgar Nelson Vilela.

De mgraça a 26.10.2008 às 15:19

corrigir as palavras:engenho e nosso.

De carlos bige a 03.10.2008 às 14:00

Yo me llamo Carlos Bigé Usted ha conocido a alguien que se llame BIGE ?

bigecarlos@yahoo.com

I am called Carlos Bigé You you have known which is called BIGE?

De jts a 19.10.2008 às 09:43

Costa Pereira!!!
Acabas de vencer mais uma etapa nesta corrida à festa do Dr. Nelson Vilela.
Um actor argentino de 54 anos ( CARLOS BIGE ), entrou neste "blog" e pergunta se temos conhecimento neste país de alguém cujo apelido seja,"BIGE". Vou investigar e se souber, informá-lo-ei, através deste canal.
Como vês caro amigo, o teu "blog", internacionalizou-se. É um êxito.
Um abraço,
Teixeira da Silva

De jts a 19.10.2008 às 10:08

"Carlos", busquei las origens de tu nombre e encontrei, um escritor em Espanha(Catalunha), autor da obra: "Pensamientos e Reflexiones de una Princesa".
Todavia, es mui difícil la procura.
Saludo.
Teixeira da Silva

De Bruno Pereira a 17.10.2008 às 12:17

Como jovem autor com grande paixão pela poesia, tentando fazer justiça nas palavras sobre o que me vai na alma, sempre ouvi falar no Dr.Nelson Vilela como um grande exemplo a seguir e à medida que se descobre mais sobre não só um talentoso poeta, mas também cheio de talentos nas outras artes da vida (como ser pai, marido e professor) mais fácil é perceber que o que sempre ouvi tem a sua razão de ser e que no Dr.Nelson Vilela está um verdadeiro exemplo.
Por isto é sempre bom ver textos e homenagens a quem as merece.

De AQUIMETEM a 17.10.2008 às 16:12

Grato pela vossa visita!-Ainda bem que o grande Professor, Poeta e Prosador chegou à jovem geração.Abençoados sejam os que lhe falaram dele.
Pois sim, aprecie os seus belos poemas e prosas, onde além de eloquência e sabedoria, não faltam um subtil senso de humor á mistura, e garanto que nunca lhe irá faltar a inspiração no seu promissor futuro como escritor;que eu desde já assim lho desejo.Vós jovens escritores, tenham -no como referência ,só tendes a ganhar com isso.Além disso tem duas qualidades que não se encontram muito na mesma pessoa:uma é a sabedoria ,outra a simplicidade.
Gostei de o ter cá Sr. Bruno Pereira.Sorte!Bem haja.

De Anonimo a 17.10.2008 às 17:13

Olá Bruno Pereira!-Como vi que gosta também de poesia e que admira o nosso antigo professor de Mondim de Basto, aqui lhe deixo uma com mais de vinte anos do livro "SEMPRE EM CAMINHO"

CANTO INTERDITO

O canto que devia entoar,
Não me nasceu até hoje
E nem admira!...
Passam ritmos sem destino,
Enquanto afino e desafino
As cordas da minha lira.

E o ritmo meu,
Ainda em êxtase ou profusão
Não chegou, não veio ainda
E só me resta a afonia
Do latejar do coração.

Todo o meu caminho
Sabe a sangue quente.
Como em Junho fosse

A vida de poeta...
Turva-se-me o olhar,
Se olho bem de frente:
Como seria doce,
Atingir a meta.


De Nelson Vilela

Felicidades para si também.

De jts a 17.10.2008 às 18:57

Caro "Costa Pereira":
O Bruno Pereira, com quem acaba de dialogar, é uma das nossas maiores promessas da escrita. Poeta e escritor já premiado no estrangeiro, o "Dr. Bruno Pereira", apesar de muito jovem, é já uma certeza na nossa cultura.
Fui eu que lhe indiquei este "blog" que não conhecia.
Ficou entusiasmado e porque em Abril passado, teve oportunidade de conhecer o Dr. Nelson Vilela, pessoalmente, manifestou desde logo interesse, em participar com as suas opiniões, no "blog".
Como vê, caro amigo, sou eu que digo agora:
"BENDITA A HORA EM QUE CRIOU ESTE BLOG".
Pela minha parte, eternamente grato.
Um abraço,
Teiixeira da Silva

De aquimetem, Falar disto e daquilo a 22.10.2008 às 14:00

Já me apercebi e felicito o jovem poeta, nosso conterrâneo. "Ao sabor do tempo", mantém-se disponível para continuar a receber mensagens de carinho e apreço à obra e figura do Dr. Nelson. Já pouco falta para o comentário cem (100)!!! Os posts que no mesmo blog fazem também alusão ao poeta Nelson não servirão para também passar a fazer-se futuros comentários? É uma sugestão. O blog é vosso, dos amigos do Dr. Nelson Vilela! Um abraço

De Anónimo a 25.10.2008 às 11:52

são tão preciosas as apreciações que fazem ao poeta Nelson Vivela que me apetece dizer somente isto: Tudo é verdade. ELE MERECE!

De AQUIMETEM a 25.10.2008 às 18:44

Olá! É bom vir cá mais um amigo do Professor e Poeta .Claro que merece tudo o que se diz e ainda merecia muito mais.
Bem haja.Um abraço

De Anónimo a 15.04.2009 às 00:12

SE VIERES
Se vieres, vem assim,
como és...
com múrmuro sorriso
de porta entreaberta,
para ver se descubro o meu Paraíso;
para ver se a minha Eva,
já foi descoberta.

Depois de mãos dadas
hão-de crepitar fogueiras
daquele fogo que toda a gente sabe
louco louco...
e nas nossas carnes hão-de ficar dedadas
de saber muito, mas saber a pouco

Nelson Vilela in Sempre em Caminho

De mg a 15.04.2009 às 00:24

Outono do Poeta

Triste sorrir de Outono
a suceder ao descolorido verão,
sem flores, sem trono,
qual espuma a escorrer
da palma calejada da mão.

Pobre Outono do poeta,
a olhar a gleba,
de tanta primavera semeada;
a sonhar verdura em cada canteiro
deixado ao relento;
mas que a geada,
pela noite escura e calada
tudo queimou:rebento a rebento!...

in livro de Horas Nelson Vilela

De Armanda Monteiro a 06.11.2008 às 13:25

Como sei que muitos mondinenses acedem a este blog deixo ficar um grande beijinho para todos com muito carinho e respeito, que sempre continuem a divulgar o talento das "gentes da nossa terra" tenho muito orgulho nisso e em ser vossa conterrânea.
Um abraço e muitas felicidades,
Armanda.

De Mgraça a 07.11.2008 às 17:37

Olá Armanda Monteiro!Ainda bem que cá veio mais uma vez.-Por falar em divulgar as gentes da nossa terra,daqui do blog do nosso Poeta Nelson Vilela,venho dar parabens ao Dr.BRUNO PEREIRA jovem escritor que aqui esteve há dias, pelo seu livro "Fragmentos" e pelo livro "Cruzamentos" em que é co-autor com Adriano Pinto Coelho e Márcio Oliveira.Espero que não se fiquem por aqui, a vida é vossa e têm-na toda pela frente.Mais uma vez, parabéns aos três.Está para sair outro livro de Bruno Pereira de poemas "Passos Lentos para o Abismo", do qual aqui deixo uns poemas,bem fortes...de um transmontano com veia,já se vê.

"NAO TE ALCANÇO"

Somente sentado em cima de cumes gigantescos
Posso vislumbrar-te dôce cruel fera indomável
Que foges como se fosses minha presa
...De mim, este pobre mendigo.

Humilde servo que já passou as mais grotescas aventuras, apenas por um memorável
Momento junto a ti, recheado de incerteza
Porque sem ti não caminho, não sigo.

Pois sem ti o mundo é isto,
Quatro paredes sem cor,
Uma porta trancada
Todo o Destino, uma encruzilhada


"PORQUE NÃO ENTENDES?"

Porque não entendes que quero estar contigo
Mesmo que não seja da forma que tenho vindo a sonhar?
Porque não percebes que te quero comigo
Mesmo que não possa ser da forma que tenho vindo a desejar?

Que entendas um dia...



"ESTE AMOR..."

Este amor acabou
Desapareceu
Morreu
Terminou!

Este amor não sobreviveu
Não lutou
Não pelejou
Será que realmente nasceu?

Este amor que tinha tanto para dar
Afogou-se no mar
Longe do teu olhar
Sem qualquer pedido para regressar,

Este amor foi o fim
Este amor que acabou assim,
Este amor é o fim
Para ti e para mim...

Livro "Passos lentos para o abismo" de
BRUNO PEREIRA -Mondim de Basto




De Mgraça a 07.11.2008 às 18:10

Apresento desculpas ao Dr.Bruno Pereira, pois o meu computador não está bom , e não dei por ter prolongado a 1ª linha do 2º verso, em "NÃO TE ALCANÇO"

De jts a 07.11.2008 às 18:50

"Maria da Graça", eu não tenho palavras no meu débil dicionário, que sejam suficientemente ricas para te agradecer, a atenção especial e até o carinho, que tiveste com a minha querida cunhada "Mena", aliviando-a da doença que teve - mas que graças a Deus, já não tem - e que durante um tempo que nunca mais acabava, constituíu um verdadeiro pesadelo, para toda a família.
O pior já lá vai, e como a fé é a última coisa que se perde na vida, a "Mena", venceu.
Quanto à festa do nosso Director, Professor e grande Poeta, Dr. Nelson Vilela, eu tenho a opinião seguinte:
Este "blog", acordou os nossos corações e permitiu que todos os seus amigos, se pronunciassem, dando as suas opiniões de acordo com as mais variadas ideias.
Gostaria - porque sem vaidade devo dizer, que és das mais entusiastas colaboradoras da festa - de te dizer o que penso, sobre o que se deve fazer, para que não hajam falhas na coordenação do trabalho a realizar em volta da homenagem ao nosso Director.
Estamos já muito próximos do fim do ano. O inverno que se aproxima, também não será uma quadra aceitável para grandes festas, tirando obviamente a quadra natalícia, que é tempo de família.
Assim, na Primavera, teriamos todo o tempo, para realizar com o ênfase desejado, tudo quanto o nosso Poeta merece.
Estou a terminar um pequeno livro, sobre a vida e obra do Dr. Valdemar Cardoso Alves, que além de meu grande amigo e Professor, foi ainda o meu "Padrinho de Casamento". Por tudo isto, gostaria que a apresentação pública deste livro, pudesse coinsidir com a festa que também é dele um "bocadinho".
Um grande beijo, minha amiga.
Teixeira da Silva

De maria da graça a 08.11.2008 às 23:42

Olá Sr.Teixeira da Silva!-Obrigada pelas suas palavras; mas não há nada para me agradecer.
Quanto à festa do nosso Poeta Nelson Vilela,o que os amigos aí decidam,claro que está tudo mais que certo.Nem valia a pena o amigo dar-me explicações.
Aliás, fico muito contente que vá haver um livrinho sobre o nosso querido professor Dr. Valdemar,um professor que muito recordo,primeiro porque me deu o único 17 que tive ,a Ciências, e também pelas lindas cantigas que nos ensinava e que ainda hoje
as canto, bem haja.É uma joia de pessoa.
Para mim, já foi uma grande festa o nosso Professor e Poeta ,saber que nós não o esquecemos.Ver que os seus versos saíram do baú e foram lidos por muitos, que nem sequer sabiam que existiam,fazê-lo recordar que é a grande referência, como escritor transmontano e por isso ter de continuar a escrever; com aquela eloquência, engenho,mestria e ao mesmo tempo simplicidade; enfim daquela maneira que só ele escreve.Além disso assegurar-lhe que realmente os poetas não têm terceira idade, (como ele diz); os poetas são eternos ; e os seus poemas também o serão.
O Senhor estará também de acordo comigo
concerteza , em que isto já foi muito importante,
não é verdade?
-Desejo felicidades para o seu livro, também .
Um grande abraço para o Amigo Sr.Teixeira da Silva

De jts a 26.11.2008 às 17:43

Maria da Graça, para ti e para os que ainda não sabem, eu tenho mais um "blog" , novinho em folha, acabadinho de chegar.
Este, é mais completo e muito mais bonito, onde podem ver e ler, todas as novidades có do burgo.
Então, aí vai o novo endereço:
JOSETEIXEIRADASILVA.SKYROCK.COM
Espero, que se divirtam e fassam os vossos comentários.
Um abraço,

Teixeira da Silva

De mgraça a 27.11.2008 às 13:04

Olá sr.Teixeira da Silva!
Salvo a autorização daqui do nosso Poeta Nelson Vilela,e da sua homenagem , venho agradecer-lhe o convite para o seu blog, e dar-lhe os parabéns ao mesmo tempo.
Muito grata.

De jts a 03.12.2008 às 21:59

Maria da Graça, muito boa noite.
Acuso a recepção ao convite que te dirigi, para procurares quando quizeres, o meu novo "blog".
Nele encontrarás as novidades e opiniões deste teu amigo, sobre esta terra.
Um abraço do,

Teixeira da Silva

Comentar post


Pág. 2/2



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D